Reproduzimos aqui o texto divulgado pela Justa Trama, trazendo um panorama deste empreendimento, mostrando como realiza suas produções e flashs do evento de comemoração dos seus 10 anos 

Cooperadas trabalhando com os tecidos de algodão orgânico. Crédito: Justa Trama

Cooperadas trabalhando com os tecidos de algodão orgânico. Crédito: Justa Trama

Uma cadeia produtiva que inicia no plantio do algodão agroecológico e vai até a comercialização de roupas feitas com o produto e reúne cerca de 600 trabalhadores(as) em empreendimentos nas cinco regiões do Brasil. São homens e mulheres, agricultores, coletores de sementes, fiadoras, tecedores, artesãs e costureiras que trabalham nos preceitos da economia solidária, sustentabilidade e comércio justo. Esta é a Justa Trama. A organização é referência em economia solidária no Brasil e reconhecida internacionalmente como a rede nacional mais completa do país.

No ano em que completa 10 anos, a Justa Trama inaugurou sua sede, na vila Nossa Senhora Aparecida, no bairro Sarandi, em Porto Alegre. O local conta com uma lavanderia e tinturaria natural, patrocinada pela Petrobras por meio de um projeto de seleção pública. A novidade deverá colocar a rede em um novo patamar no mercado. “Os consumidores nos cobravam, querendo produtos de algodão orgânico em outras cores, pois até então, trabalhávamos apenas com as cores naturais do algodão: cru, marrom e verde. Agora poderemos oferecer um produto orgânico colorido com corantes naturais, mantendo nossa preocupação com a preservação e respeito ao meio ambiente. Estamos com uma expectativa muito grande e acreditamos que terá um grande impacto nas vendas”, afirma Nelsa Ines Fabian Nespolo, uma das fundadoras desta cadeia solidária.

Arranjo convite 10 anos

A inauguração do novo prédio com a lavanderia e tinturaria, foi dia 3/10 com uma festa aberta à comunidade que celebrou também os dez anos da rede. Foi na sede da Justa Trama, que fica na Rua Afonso Feijó, 501,no bairro Sarandi, em Porto Alegre. O evento reuniu mais de 300 pessoas. Participaram os representantes dos seis empreendimentos que compõem a Justa Trama, das cinco regiões do país – Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Ceará e Rondônia, além de cooperativas do Paraguai e Uruguai, Associação de Cooperação Norte-Sul (Conosud), da Espanha, Secretaria Nacional de Economia Solidária- SENAES, Petrobras, Unisol Brasil e RS várias lideranças de organizações e também de Empreendimentos da Economia solidária além da participação da própria comunidade local.

Além da apresentação da Escolinha Nova Geração e das saudações aconteceu o desfile com as roupas coloridas da nova coleção, apresentadas por homens, mulheres e crianças moradores do bairro Sarandi e da Economia solidária. “Queremos que as pessoas conheçam melhor este trabalho tão importante e que movimenta tanta gente, sendo feito tão próximo delas, no próprio bairro”, explica Nelsa.

(O crédito de todas as fotos é da Justa Trama)

PIGMENTAÇÃO NATURAL EM TODO O PROCESSO

O principal destaque da pigmentação natural utilizada pela Justa Trama é que não só os pigmentos são de origem vegetal, mas os auxiliares também. “O sabão usado para lavar o tecido é feito de óleo de coco; o fixador é de resinas vegetais de breu e óleo de copaíba; o amaciante é de manteiga de cupuaçu; e o igualizante é de leite de castanha do Pará. Além disso, os efluentes dessa linha de tingimento são todos produtos biodegradáveis. Todos esses produtos geram renda para as comunidades em diferentes regiões do Brasil, dentro dos conceitos da economia solidária e do produto agroecológico”, explica Eber Ferreira, diretor da Etnobotânica – empresa de São Paulo especialista em pigmentação natural, que atuará em parceria com a Justa Trama para o tingimento das peças.

A nova linha neste primeiro momento contará com alguns dos pigmentos, todos eles de origem natural. “O laranja avermelhado vem do urucum; o amarelo vem do açafrão ou da planta chamada lírio dos tintureiros; o azul vem da anileira; o preto vem do fruto da nogueira; os vermelhos saem da planta rúbia tinctoria. O verde vem da clorofila da alfafa e da folha da figueira; e o violeta é de uma planta chamada Pau Campeche”, revela Ferreira.

JUSTA TRAMA

A Justa Trama é uma cadeia composta por outras seis organizações das cinco regiões do país, cada uma é responsável por uma etapa da produção. Fazem parte desta cadeia as cooperativas:

  • Associação de Desenvolvimento Cultural e Educacional (ADEC): Plantio do algodão orgânico em Taúa (CE).

  • Associação da Escola Família Agrícola da Fronteira (AEFAF): Plantio do algodão orgânico colorido , em Pontaporã (MS)

  • Cooperativa de Produção Têxtil de Para de Minas (Coopertêxtil): Fiação e Tecelagem em Pará de Minas (MG)

  • Cooperativa de costureiras Unidas Venceremos (Univens): Confecção, em Porto Alegre (RS)

  • Cooperativa Açaí: Produção de botões e colares de sementes, bonecas dos retalhos, em Porto Velho (RO)

  • Cooperativa fênix: confecção de calçados, em Caraá (RS)

  • Coletivo Inovarte: Bichos e jogos pedagógicos com as sobras da confecção, em Porto Alegre (RS)

  • Coletivo PAS: Confecção, cordões e tricô, em Itajaí (SC)

Todos que compõem a Justa trama são filiados à Unisol Brasil.

A JUSTA TRAMA é uma realidade que dá um passo importante e uma marca para a Economia Solidária pois prova que é possível tem um produto agroecológico e que se viabiliza percorrendo o território Brasileiro constituindo para cada elo valores justos de sua produção, processo sem exploração e sem atravessadores. Isso é Economia solidária. Isso é comércio Justo e Produção Justa.

Publicamos também a carta de Paul Singer enviada para a Justa Trama. Paul Singer

Fontes: Por Nelsa Nespolo, diretora presidente da Justa Trama e Raphaella Donaduce Flores, jornalista.