Blog

22 set
0

Mulheres da UNISOL Brasil promovem encontros estaduais

Em setembro e outubro, as mulheres da UNISOL Brasil promovem encontros estaduais para discutir e construir políticas públicas de mulheres. As atividades, que serão realizadas em diversos estados, são desdobramentos do 1º Encontro Nacional de Mulheres da UNISOL Brasil, realizado em 27 de março de 2017, resultado de um histórico de construção de políticas afirmativas de mulheres dentro da instituição, incluindo a criação da Secretaria de Políticas Afirmativas, o evento “Mulheres da Economia Solidária – Construindo a emancipação” (realizado em Manaus, em 2015), a instituição das diretorias paritárias da UNISOL Brasil em seu quarto congresso, elegendo o Conselho Geral e os Conselhos Estaduais de forma paritária, dentre outras ações.

O Encontro Nacional de Mulheres da UNISOL Brasil priorizou o debate em grupos de trabalho e a construção de propostas de ação e encaminhamentos, apontando como bandeiras de luta a independência financeira, a emancipação socioprodutiva e sustentável para as mulheres, igualdade e equidade de gênero em todos os espaços de participação política (internos e externos à UNISOL) e a organização e equidade do trabalho produtivo e reprodutivo.

Os encontros estaduais que agora acontecem dão continuidade a esse trabalho. O objetivo é mobilizar mulheres dos empreendimentos filiados à UNISOL e os encontros partem de algumas necessidades específicas como a realização de pesquisa-diagnóstico para entender quem são essas mulheres, construção de indicadores, identificar necessidades para a elaboração de um plano de formação para as mulheres da UNISOL, construção de planos estratégicos, realizar análise de conjuntura a partir de um recorte quanto às políticas de mulheres da UNISOL e para a economia solidária, dentre outros encaminhamentos. As atividades contam com apoio da Nexus Brasil e da Nexus Emilia Romagna.

“A construção dos encontros estaduais é uma conquista que conseguimos dentro da UNISOL Brasil e reflete um processo muito importante de participação e incidência das mulheres dentro da nossa Central”, aponta a diretora de políticas afirmativa da UNISOL, Magda Almeida.

Para Isadora Santos, diretora tesoureira da UNISOL Brasil, os encontros estaduais de mulheres têm uma relevância muito grande na política de mulheres da UNISOL, pois vão promover o debate e construir com sócias de empreendimentos filiados demandas e estratégias específicas. “E é também por meio desse processo de construção de estratégias que vamos trabalhar o protagonismo das mulheres nos empreendimentos e a formação de lideranças, fortalecendo de forma prática a paridade de gênero na nossa instituição”, completa.

Nelsa Nespolo, vice presidenta da UNISOL Brasil, lembra que a UNISOL vem há anos tratando o tema das mulheres, e que nesse momento ele passar a ser prioritário para que se discuta não só a questão da paridade nas direções, mas também da equidade. “Ou seja, que a gente possa ter as mulheres como protagonistas nas direções e nas tomadas de decisão, já que na participação ativa do dia a dia as mulheres são a maioria. Para que de fato nós possamos trazer para junto dos homens e das mulheres da economia solidária um aprofundamento da discussão, e que isso se reflita as ações do dia a dia, nas formas de organização”, diz Nelsa.

Sandra Pareschi, da Nexus Brasil e Nexus Emilia Romagna, avalia que esses encontros das mulheres são de grande importância porque o fomento das políticas afirmativas para as mulheres da economia solidária é um item principal para a Nexus e para a UNISOL: “Não só porque essa é uma proposta do último congresso da UNISOL – o empoderamento das mulheres -, para que seja garantida paridade não só nos órgãos executivos da UNISOL, mas também para que se tenha uma capacidade de ação concreta e que se consiga tratar o tema das mulheres de um jeito transversal nas ações gerais da UNISOL. As UNISOIS nos estados têm que ter participação importante das mulheres no processo das articulações de fortalecimento. Estamos apoiando e felizes que esses encontros estejam acontecendo. Esperamos também que proximamente até o próximo ano outros estados entrem e participem numa ação semelhante a essa. Faremos todo o possível para que seja construído novo acordo de colaboração entre UNISOL e Nexus para que no próximo ano o processo possa continuar”.

Confira a agenda de encontros de mulheres da UNISOL nos estados:

28/09 – Santa Catarina, na cidade de São José

29/09 – Pernambuco, na cidade de Camaragibe

03/10 – São Paulo, na cidade de São Paulo

13 e 14/10 – Acre, na cidade de Rio Branco

Os encontros reunirão filiadas da UNISOL Brasil, parceiras/os e convidadas/os. Outras informações podem ser obtidas pelo email unisol@unisolbrasil.org.br.

Leia mais
13 set
0

TURISOL: valorizando o turismo solidário nas comunidades

O turismo solidário e comunitário vem se mostrando cada vez mais uma alternativa para promover a valorização de culturas locais, promover o trabalho justo e gerar renda para as comunidades onde se desenvolve. O movimento está crescendo no Brasil, e avança no sentido de constituir uma Rede Brasileira de Turismo Solidário e Comunitário, a TURISOL.

A história da TURISOL começa em 2003, com um programa de cooperação no setor da economia solidária iniciado pela Embaixada da França no Brasil que revelou o potencial do país. No mesmo ano, sete projetos brasileiros representaram o país no Fórum Internacional de Turismo Solidário, realizado em Marselha, na França. E dessa movimentação inicial nascia então, informalmente, a TURISOL.

Caracterizada pela reunião de diversas organizações no Brasil que desenvolvem projetos de turismo solidário e que buscam, por meio da troca, fortalecer iniciativas existentes e despertar outras comunidades para a possibilidade de promover um turismo diferente, é composta por cerca de 13 projetos.

A TURISOL funciona seguindo alguns princípios, dentre os quais o de que o principal produto turístico ou atração turística é o modo de vida da comunidade, sua forma de organização. Que o turismo deve ser entendido como instrumento para o fortalecimento comunitário e associativo. E que a comunidade é proprietária, gestora, empreendedora dos empreendimentos turísticos.

Embora a Rede tenha passado um período relativamente desmobilizada, nos últimos anos foi retomada sob a supervisão do Projeto Bagagem. O projeto surgiu em 2002 de uma iniciativa de duas colegas de faculdade que trabalhavam como operadoras de organização de viagens por comunidades ribeirinhas da Amazônia que logo questionaram por que o turismo de base comunitária não tinha mais destaque no país.

O envolvimento com a TURISOL veio em 2008, quando por meio de um edital do Ministério do Turismo a Associação captou recursos para fomento à Rede e vem, desde então, se consolidando como importante ator na aglutinação de iniciativas e parcerias de turismo de base comunitária.

“O primeiro encontro da Rede foi organizado pelo Bagagem com base no único edital lançado pelo Ministério para o turismo comunitário. Acabamos assumindo a responsabilidade de fazer um encontro nacional. E em 2014 a gente fez o segundo encontro. O Bagagem se tornou uma referência como organização que puxa a Rede. A gente tem que ter um animador, porque senão a Rede fica um pouco parada”, avalia Mariana Madureira, diretora executiva do Bagagem.

A expectativa é reunir a TURISOL novamente o Fórum Social Mundial em 2018, encontro que ainda depende do suporte de parceiros. Mariana aponta a riqueza desses momentos de encontro e troca entre os integrantes da Rede, onde acontece também o contato com especialistas, oficinas, seminários e apresentações culturais. E ao mesmo tempo levanta os desafios: muitas vezes as comunidades não dispõe de recursos para participar desses encontros, o que faz com que o Bagagem busque alternativas de incentivo e financiamento para que essa participação aconteça de alguma forma.

Hoje em nova fase, o Projeto Bagagem se quer um espaço de compartilhamento de experiências e aglutinação de conteúdos e conhecimento dos diversos atores envolvidos e interessados por esse turismo. O foco é compartilhar as informações das pequenas comunidades e ter um papel articulador.

Voltando à TURISOL, o potencial desse tipo de turismo, comunitário, solidário, é imenso pelas comunidades do Brasil. Uma forma de tornar a atividade menos predatória e mais social, ao proporcionar oportunidade de conhecer modos de viver, de pensar, de fazer, enfim, promover o contato com culturas diversas e ainda gerar riqueza e sustentabilidade para os locais onde essas comunidades são anfitriãs.

Aqui o turismo se coloca como atividade complementar a outras atividades econômicas já praticadas nas regiões, que proporciona distribuição justa do dinheiro e transparência no uso de recursos. Promove a afirmação das identidades ao valorizar as culturas. Estabelece uma relação de parceria e troca entre o turismo e a comunidade. Estimula uma cadeia de valor com foco no desenvolvimento das comunidades e na sustentabilidade ambiental e muitas vezes pode até mesmo auxiliar na luta pela posse da terra.

 

Leia mais
12 set
0

Errata – Cotação de Preço 013/2017 – REDES – Contratação de pessoa jurídica para o fornecimento de alimentação

Cotação Prévia nº 013/2017, datada de 31/08/2017, com objetivo de Contratação de pessoa jurídica para fornecimento de coffee break, almoço e jantar nos eventos e ações do projeto, em atividades a serem realizadas até 30/11/2017 no Estado do Rio Grande Sul, conforme previsto no projeto de “Apoio a Gestão Social, Inclusão Produtiva e Dinamização Econômica de Redes de Cooperação Solidária”, convênio MTE/SENAES nº 74/2012 e SICONV 776121/2012, celebrado em 26 de dezembro de 2012 e publicado no dia 27 seguinte. Torna público que por um erro material de digitação, quando da consolidação do Edital supramencionado, foram suprimidas condições essenciais para elaboração da proposta de preço, por tal motivo, referido texto será inserido, conforme o documento da errata:

Clique aqui para acessar a errata.

 

Leia mais
09 set
0

Aprovado o PL da Economia Solidária

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou no último dia 31 de agosto o Projeto de Lei 4685/12, relatado pela deputada Maria do Rosário, que cria o Sistema Nacional da Economia Solidária, setor que reúne 20 mil cooperativas de trabalhadores, tais como de reciclagem, de artesãos, de agricultura familiar etc, e responde por 8% do PIB.

Quer saber como foi a aprovação, quais artigos tiveram mudanças e como foi a negociação na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania?

O presidente da UNISOL, Leo Pinho, te conta:

 

Leia mais
09 set
0

Giro Sustentável: uma cooperativa de bike courier

Surgiu em São Paulo há cerca de dois meses uma cooperativa de bike courier – entregas por bicicleta. A Giro Sustentável, composta por sete bikers, partiu da insatisfação deles no trabalho em empresas de bike courier, nas quais o biker chega a ficar apenas com 30% do valor da entrega. Nos melhores casos, esse percentual é de 50%, o que não é suficiente para custear a alimentação e nem mesmo a manutenção da bicicleta.

“As empresas cobram do cliente e não repassam para o biker o que seria justo pelo trabalho que ele desenvolve. Isso é uma conta que não bate. O ciclista trabalha com o corpo, é preciso ter alguns cuidados que as empresas não têm. O movimento da Giro Sustentável é justamente criar um ambiente mais seguro e sustentável para o ciclista, onde ele possa desenvolver melhor o seu trabalho e, consequentemente, atender melhor o cliente”, diz Eberton Luís Alves, o Betinho, um dos integrantes da cooperativa e ciclista há 13 anos.

A Giro está hoje buscando se aproximar de alguns mercados específicos, em especial da área de alimentação vegana, vegetariana e natural. “Esses restaurantes têm uma preocupação ou fundo social, buscam a entrega de bicicleta porque isso complementa a imagem da empresa, e isso faz muito sentido para o público deles”, avalia outro integrante da Giro, Ivo Pons.

A cooperativa está prospectando também entregas e outras áreas como cartórios, sindicatos, farmácias e serviços em que entregam o produto e recebem o valor em dinheiro, realizando em seguida o depósito para o cliente que contratou a Giro. Empresas de tecnologia e empreendimentos de economia solidária estão entre os clientes já atendidos, tais como a Rede Design Possível, a própria UNISOL, a Scipopulis, Tempero Bom e restaurantes e deliveries como Gopala e Flor de Laranjeira.

“Fornecemos salgados vegetarianos, veganos e para pessoas com restrições alimentares. Tivemos um problema com um motoqueiro numa entrega e resolvemos experimentar a Giro Sustentável. Estamos gostando muito. Eles atendem mesmo na chuva, os clientes estão satisfeitos. Não imaginávamos que era possível entregar uma grande quantidade de salgados em bicicleta, mas eles levam até 400 peças congeladas, e tudo chega certinho, intacto. É uma nova era mesmo, um novo transporte”, diz Ananda Neron, proprietária do Flor de Laranjeira.

Os desafios são alcançar a sustentabilidade econômica, encontrar nichos de clientes e contaminar os mercados com os conceitos da economia solidária. “Existe um movimento nacional de bike courier e queremos promover outras cooperativas como a Giro. O mercado do biker tem que ser feito por meio de cooperativas, porque é ele quem pedala, e por isso tem que ficar com a maior parte do dinheiro, da operação”, avalia Betinho.

Leia mais
08 set
0

Tereza e Aloísio, UNICAFES, presentes!

A UNISOL Brasil se solidariza com a UNICAFES com pesar pela morte da presidente da UNICAFES Mato Grosso, Terezinha Rios Pedrosa, e seu marido, Aloísio da Silva Lara.

De acordo com informações da UNICAFES, o casal foi assassinado a tiro no sítio onde residiam, em Nossa Senhora do Livramento. Os corpos foram encontrados na tarde do dia 07 de setembro por um dos filhos do casal.

Terezinha era conhecida por atuar em defesa dos pequenos agricultores da região, sendo ela mesma agricultora. Foi vereadora da cidade, secretária municipal de agricultura e secretária de mulheres da Fetagri – MT. Foi também presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais.

Participou da elaboração e construção da Central de Comercialização da Agricultura Familiar, através da sua atuação no Colegiado Territorial da Baixada Cuiabana, onde também ajudou a criar a Central das Cooperativas (COOPCENTRAL) para apoiar a comercialização dos produtos da agricultura familiar. Foi membro do CEDRS, representando a Rede de Colegiados Territoriais e a UNICAFES. Era integrante do Coletivo Agrário do PT-MT e atualmente estava na presidência da COOPERLIVRE e da UNICAFES-MT (União de Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária) de Mato Grosso.

O atual contexto político do país tem permitido que atitudes desta natureza se multipliquem em regiões onde os conflitos agrários são recorrentes. A sensação de impunidade, bem como as brechas legais arrastam processos por décadas fazendo com que os mandantes de tais crimes não sejam punidos. Enquanto isso, muitas lideranças que estão à frente de organizações lutando pelos direitos sociais sofrem constantes ameaças e muitas delas acabam se concretizando com atos de covardia e violência.

“Infelizmente, estamos assistindo no país a uma escalada da violência no campo. Me solidarizo com as famílias e amigos e com toda a UNICAFES por essa tragédia”, diz Leo Pinho, presidente da UNISOL Brasil.

 

Com informações da UNICAFES

 

 

 

Leia mais
31 ago
0

COTAÇÃO DE PREÇO nº 013/2017 – REDES – Contratação de pessoa jurídica para o fornecimento de alimentação

A “CENTRAL DE COOPERATIVAS E EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO BRASIL – UNISOL BRASIL”, inscrita no CNPJ sob nº 07.293.586/0001-79, com sede em São Bernardo do Campo/SP, torna público a abertura de processo de contratação de pessoa jurídica para a prestação de serviços técnicos, conforme Memorial Descritivo em anexo.

Clique aqui para acessar o edital completo

Leia mais
29 ago
0

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 012/2017 – REDES

Em atenção à deliberação da Comissão de Licitação e Seleção da UNISOL BRASIL, datada de 04/01/2017, e em referência ao Edital de Cotação Prévia de Preço nº 012/2017, RATIFICO E HOMOLOGO como DESERTA e autorizo ao departamento administrativo a publicação deste resultado e sugerindo a abertura de novo processo de cotação, em atendimento as ações do convênio supracitado, respeitando-se a legislação vigente.

UNISOL Brasil

São Bernardo do Campo, 29 de agosto de 2017

Clique aqui para acessar o termo de homologação.

 

 

Leia mais
27 ago
0

UNISOL apoia Ariel Guarco presidente da ACI

Na 68ª reunião ordinária do Conselho de Administração Regional de Cooperativas das Américas (CICOPA Américas e Mercosul) realizada este mês, foi definido apoio à candidatura de Ariel Guarco, da Confederação Cooperativa da Argentina (Cooperar) à presidência mundial da Aliança Cooperativa Internacional (ACI), que milita internacionalmente por um cooperativismo mais aberto, genuíno e próximo de suas bases. A candidatura será apresentada na próxima Assembleia Geral da ACI que acontece em novembro, em Kuala Lumpur.

A reunião foi realizada em Santiago do Chile, e incluiu uma série do seminário “Novos horizontes para as cooperativas de trabalhadores”, abordando temas importantes para o sistema cooperativo: gênero, tecnologia e segurança digital, cooperativas sociais de trabalho e juventude. Participaram do encontro delegações de trabalho cooperativo da Argentina, do Brasil, México, Paraguai e Uruguai, além do setor e autoridades do Chile.

“Entendo que a reunião foi muito frutífera. É encorajador para nós, em posições de liderança de nossos movimentos em nível regional e global, serem promovidos debates sobre todos esses temas. Como foi salientado pela CICOPA Américas e Mercosul, é importante buscarmos novos horizontes juntos, ouvindo todas as vozes. Nesse espírito, e como é de conhecimento público, tenho a intenção de presidir nossa Aliança Cooperativa Internacional a partir da próxima assembleia, que deve acontecer em 17 de novembro, em Kuala Lumpur. Me sinto muito satisfeito com o apoio das organizações, que considero fundamental para continuar a construir um movimento cooperativo global e abrangente, autêntico e comprometido com os desafios do nosso tempo”, avalia Ariel Guarco.

A programação incluiu uma reunião da CICOPA Américas e visitas à Federação das Cooperativas de Trabalho do Chile (TRASOL) e outras experiências cooperativas de Santiago. A CICOPA se reuniu com altos funcionários da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (CEPAL) e com líderes da Central Única dos Trabalhadores do Chile e representantes do poder legislativo nacional.

Para Arildo Mota, diretor da CICOPA Américas e diretor internacional da UNISOL Brasil, a candidatura de Ariel Guarco significa uma renovação positiva para o campo cooperativista solidário da América e do mundo, por trazer novas ideias e novas formas de praticar o cooperativismo.

“Ariel é preocupado com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e acredita que não adiante ter cooperativas que faturam milhões se houver inclusão socioprodutiva, cultural, dos sócios das cooperativas. Ele vê o cooperativismo como um projeto de vida, de inclusão social, onde a sociedade possa participar e compartilhar os ganhos onde vive. A pessoa do Ariel é a que mais agrega no campo do cooperativismo mundial do século XXI”, define Arildo. “Ele traz uma proposta de maior participação dos setores menos favorecidos que compõem a ACI. Hoje o espaço é muito seletivo, e ele quer defende democratizar a participação das cooperativas”.

Um ponto importante destacado por Arildo em relação à 68ª reunião ordinária realizada no Chile é a preocupação em promover a intercooperação, a aproximação dos setores que compõem a ACI por meio da abordagem de temas transversais. “A intercooperação é um dos princípios que nos une no cooperativismo, e vamos começar a fazer mesmo essa Inter cooperação entre os setores. A ACI está em mudança para melhor. E essa ACI em transformação, principalmente no nosso continente, vem muito ao encontro das propostas do Ariel”, conclui Arildo.

Leia mais
23 ago
0

Rio Branco, capital do Acre, abriga II Feira de Economia Solidária em homenagem ao dia do feirante

WhatsApp Image 2017-08-21 at 21.32.13

Em homenagem ao Dia Nacional do Feirante (25 de agosto), a cidade de Rio Branco, capital do estado do Acre abriga a II Feira de Economia Solidária. Nos dias 25, 29, 30 e 31 de agosto e 02 de setembro serão promovidas atividades que incluem seminário, comercialização de produtos da Economia Solidária, atendimento de saúde, atividades culturais e esportivas.

O evento, realizado pela UNISOL, Governo do Estado do Acre e Prefeitura de Rio Branco, com apoio do Sebrae e várias outras instituições, reunirá cerca de 70 empreendimentos solidários e ambulantes, que comercializarão produtos da agricultura familiar, alimentação, piscicultura, jardinagem, artesanato, costura e movelaria.

A programação começa no dia 25, com a realização do seminário “Desenvolvimento Sustentável com novos desafios para a Economia Solidária”. Essa atividade acontece no auditório da Assembleia Legislativa e promoverá painéis sobre Programa de Feiras Regionais; Mercado, comercialização e cadeias produtivas; e educação ambiental. As outras atividades acontecem no Ceasa.

O Deputado Federal Raimundo Angelim, que já foi prefeito de Rio Branco, responsável pelo fomento à Economia Solidária na cidade e hoje coordenador da Frente Parlamentar pela Economia Solidária, participará do seminário abordando mercado, comercialização e cadeias produtivas. “Empoderar os feirantes é fortalecer a produção e o comércio popular”, destaca o Deputado Angelim.

Para Leo Pinho, presidente da UNISOL Brasil, “a II Feira de Economia Solidária homenageando todos e todas feirantes do país é parte de um processo mais amplo que vem sendo promovido no Acre, combinando mobilização, comercialização e atividades de formação visando consolidar o processo de formação da UNISOL no estado.”

Confira a programação:

25/08

Seminário Desenvolvimento Sustentável com novos desafios para a Economia Solidária

8h – Abertura

9h30 – Painel 01: Programa de Feiras Regionais. Expositores: SAFRA e SEPN, COMTES

10h30 – Painel 02: Mercado, comercialização e cadeias produtivas. Expositores: Sebrae, deputado federal Raimundo Angelim e SEAPROF.

11h30 – Painel 03: Educação Ambiental. Expositores: SEMEIA

Local: Auditório da Assembleia Legislativa

26, 27 e 28/08

Organização e mobilização da Feira

29 e 30/08

Atendimentos e promoção de cidadania (orientações jurídicas e em serviços sociais)

Coordenação: SEPMulheres, SEMAM e SEMACS

29/08 a 02/09

Exposição e comercialização de produtos da agricultura familiar

30/08

8h às 18h – atividades de comercialização da feira

9h – Atividade cultural (Clube do Talento) – coordenação SEMCAS

10h – Moção em homenagem aos feirantes (vereador Mamed Dankar Neto

31/08

8h às 18h – atividades de comercialização da feira

9h às 12h – Atendimento de saúde – coordenação SEMSA

Apresentações culturais e esportivas

01/09

8h às 18h – atividades de comercialização da feira

9h às 12h – Atendimento do CRAS e embelezamento

02/09

Encerramento

 

Leia mais