Foto: Elza Fiúza / Agência Brasil

Foto: Elza Fiúza / Agência Brasil

Um novo relatório divulgado pelo Departamento de Negócios da Organização Internacional do Trabalho (OIT) tem uma coleção de estudos de casos sobre as cooperativas de produção, distribuição e consumo de energia elétrica, mostrando como elas contribuem para a busca de novas maneiras de atender ao objetivo de fornecer energia sustentável para todos , informa o site da Aliança Cooperativa Internacional (ACI).

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), 22% da população mundial não tem acesso a modernas instalações de energia elétrica . O relatório destaca as principais vantagens das cooperativas de energia, tais como a capacidade de cumprir os objetivos de baixo custo e a oportunidade de inspirar as pessoas a fornecer serviços confiáveis.

O relatório descreve como as cooperativas estão transformando o setor de energia dos mais baixos aos mais altos níveis. Sendo empresas focadas na comunidade, as cooperativas permitem o controle democrático pelos povos da região e fornecem um exemplo de modelo de sucesso para a eletrificação rural.

Um dos países mais inovadores no campo da energia elétrica é a Alemanha, que tem visto um crescimento no número de cooperativas de energia desenvolvidas pelos cidadãos. Uma estrutura legal favorável , juntamente com a liberalização das taxas de mercado de energia têm sido um grande incentivo para o desenvolvimento das cooperativas de energia elétrica no país.

Na Argentina, cooperativas elétricas fornecem 10% da produção de energia doméstica e detém 17% dos consumidores em todo o país e 58% nas áreas rurais. No Brasil, existem 126 cooperativas rurais elétricas, com mais de um milhão de membros . Embora seja um fenômeno recente, cooperativas de energias renováveis começaram a crescer também em lugares como o Canadá.

Na Dinamarca, um pioneiro em instalações que utilizam energia eólica do país, 23% da capacidade é operada por cooperativas. Da mesma forma , cooperativas de energia servem 12% da população dos Estados Unidos . Em 2010, as cooperativas dos Estados Unidos receberam 13% de eletricidade a partir de recursos renováveis.

Na Índia , as aldeias onde a eletricidade é fornecida por cooperativas elétricas, a taxa de conectividade das famílias é quatro vezes maior do que nas aldeias onde a eletricidade é fornecida pelo Estado.

O relatório da OIT também oferece exemplos sobre a promoção a nível nacional e regional. Nos Estados Unidos, não só o NRECA apoia e promove estas iniciativas, mas também se envolve em política e debates legislativos para aumentar a consciência pública sobre as cooperativas elétricas. A nível europeu , a União Europeia tem promovido cooperativas de energias renováveis como uma oportunidade para construir uma indústria de energia mais sustentável.

O movimento também oferece financiamento para desenvolver projetos de energia . Muitas cooperativas de crédito dos países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico concedem empréstimos específicos para melhorar a eficiência energética. No Quênia, duas cooperativas de crédito para os produtores de chá – e Michimikuru Kiegoi – têm desenvolvido programas de empréstimo com seus membros para comprar películas fotovoltaicas (PV), ajudando a instalar mais de 150 sistemas fotovoltaicos.

O relatório da OIT conclui recomendando uma série de medidas que poderiam ajudar a criar mais cooperativas de energia , tais como a assistência técnica e capacitação, de empréstimos, bem como os programas de colaboração com agências governamentais. Ele também sugere que as cooperativas sejam consultadas e incluídas nas novas políticas de energia elétrica desenvolvidas ou mesmo quando as políticas existentes são implementadas.

Fonte: ACI